Espanhol Alemão Português ---- Português Português Português Português Português Português Português Português Notícia Mais Vendidos Familia y Educación Padres Familia Vida en Pareja Desarrollo Personal Educación Afectivo Sexual Comportamiento Social Por Edades 0 a 6 7 a 12 Adolescentes Espiritualidad Jesucristo Virgen María Oración y Vida Cristiana Liturgia y Devociones Papa Francisco Benedicto XVI Juan Pablo II San Josemaría Teología Sacerdocio Historia de la Iglesia Para Niños Adviento y Navidad Cuaresma, Semana Santa y Pascua Biografías Histórica Testimonios Religiosa y Espiritual Humanidades Historia Ensayo Filosofía Antropología Psicología Arte Ética Manuales Literatura Narrativa Contemporánea Novela Histórica Infantil y Juvenil Primeros lectores A partir de 7 años A partir de 10 años A partir de 12 años Juvenil La Fe para Niños Mundo y Sociedad Hoy Tiempo Libre Familia y Educación Espiritualidad y Teología Infantil y Juvenil Narrativa Pensamiento Revistas Catálogos Autores Suscripciones Colecciones Catequesis parroquial y familiar Con Él Cuadernos Palabra dBolsillo Documentos MC Estudios Palabra Grandes obras Hablar con Dios Hablar con Dios. Cartoné Libros Palabra Libros reportaje Palabra hoy Pelícano Testimonios Varios títulos edu.com Educación y familia Guías para educar Guías pedagógicas Hacer Familia Tiempo libre Astor Jr Astor Nova La Mochila de Astor Libros ilustrados Multimedia Paso a paso Se llamaba La Mochila de Astor. Serie negra La Mochila de Astor. Serie roja La Mochila de Astor. Serie verde Arcaduz Astor Biografías juveniles Narrativa Roman Albatros Argumentos para el siglo XXI Ayer y hoy de la historia Biblioteca Palabra Mundo y cristianismo Revista Hacer Familia Revista Mundo Cristiano Revista Palabra Revistas Palabra Hacer Familia Mundo Cristiano Libros dBolsillo Con Él Hablar con Dios Ediciones Palabra

Palabra

Francisco Fernández-Carvajal Hablar con Dios Meditação diária Meditação principal Calendário Comprar Papel Digital Subscrição Números Soltos Língua (Language) Espanhol Espanhol Alemão Alemão Português Português facebook twitter
Libros
Materias

19 DE MARÇO

27. SÃO JOSÉ

Esposo da Beatíssima Virgem Maria.

Padroeiro da Igreja Universal

Solenidade

– As promessas do Antigo Testamento realizam-se em Jesus por meio de José.

– Fidelidade do Santo Patriarca à missão recebida de Deus.

– A nossa fidelidade.

A quaresma interrompe-se, de certo modo, para celebrar a solenidade de São José, esposo de Maria. Esta festa, que já existia em numerosos lugares, fixou-se nesta data durante o século XV, e em 1621 estendeu-se a toda a Igreja universal como dia de preceito. Em 1847, o Papa Pio IX nomeou São José Padroeiro da Igreja universal. A paternidade de São José não diz respeito somente a Jesus – junto de quem fez as vezes de pai –, mas à própria Igreja, que continua na terra a missão salvadora de Cristo. Assim o reconheceu o Papa João XXIII ao incluir o seu nome no Cânon Romano, para que todos os cristãos, no momento em que Cristo se faz presente no altar, venerem a memória daquele que gozou da presença física do Senhor na terra.

I. EIS O SERVO FIEL E PRUDENTE a quem o Senhor confiou a sua casa1.

Esta casa mencionada na Antífona de entrada da Missa é a Sagrada Família de Nazaré – o tesouro de Deus na terra –, que foi confiada a São José, o servo fiel e prudente, para que a levasse para diante ao longo de uma vida que foi de entrega alegre e sem medida. A “casa” do Senhor é também, por ampliação, a Igreja, que reconhece em São José o seu protetor e padroeiro.

A primeira Leitura evoca as antigas promessas em que se anunciava, de geração em geração, a chegada de um Rei forte e justo, de um bom Pastor que conduziria o rebanho para verdes pastos2, de um Redentor que nos salvaria3. Nesta leitura de hoje comunica-se a Davi, por meio do profeta Natã, que da sua descendência virá o Messias, cujo reinado não terá fim. Por José, Jesus é filho de Davi. Nele se cumpriram as promessas feitas a Abraão4.

“Com a Encarnação, as «promessas» e as «figuras» do Antigo Testamento tornam-se «realidade»: lugares, pessoas, acontecimentos e ritos entrelaçam-se de acordo com ordens divinas bem precisas, transmitidas mediante o ministério dos anjos e recebidas por criaturas particularmente sensíveis à voz de Deus. Maria é a humilde serva do Senhor, preparada desde toda a eternidade para a missão de ser Mãe de Deus; e José é aquele [...] que tem por missão prover à inserção «ordenada» do Filho de Deus no mundo, pelo respeito às disposições divinas e às leis humanas. Toda a chamada vida «privada» ou «oculta» de Jesus foi confiada à guarda de José”5.

O Evangelho da Missa tem um especial interesse em sublinhar que José pertencia à casa de Davi, depositária das promessas feitas aos patriarcas: Jacó gerou José, esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, chamado Cristo6. É o Patriarca do Novo Testamento.

José foi um homem simples que Deus cobriu de graças e dons para que cumprisse uma missão singular e entranhável de acordo com os planos salvíficos. Viveu entre alegrias inefáveis, pois tinha junto dele Jesus e Maria, mas também entre incertezas e sofrimentos: perplexidade ante o mistério realizado em Maria, que ele ainda não conhecia; pobreza extrema em Belém; a profecia de Simeão sobre os sofrimentos do Salvador; a angustiosa fuga para o Egito; a vida quase sem recursos num país estranho; o regresso do Egito e os temores em face da subida ao trono de Arquelau... Sempre foi fidelíssimo à vontade de Deus, deixando de lado os planos e raciocínios meramente humanos.

O centro da sua vida foram Jesus e Maria, foi o cumprimento da missão que Deus lhe confiara. “A entrega de São José aparece-nos urdida por um entrelaçado de amor fiel, de fé amorosa, de esperança confiante. A sua festa é, por isso, uma boa oportunidade para que todos renovemos a nossa entrega à vocação de cristãos que o Senhor concedeu a cada um”.

“Quando se deseja sinceramente viver de fé, de amor e de esperança, a renovação da entrega não significa retomar uma coisa que estava em desuso. Quando há fé, amor e esperança, renovar-se significa conservar-se nas mãos de Deus, apesar dos erros pessoais, das quedas, das fraquezas. Renovar a entrega [...] é renovar a fidelidade àquilo que o Senhor quer de nós: é amar com obras”7.

Pedimos especialmente hoje ao Santo Patriarca que nos alcance o desejo eficaz de cumprir a vontade de Deus em tudo, numa entrega alegre, sem condições, que além disso sirva de luz para que muitos encontrem o caminho que conduz ao Céu.

II. SERVO BOM E FIEL, entra no gozo do teu Senhor8. Estas palavras da Antífona da Comunhão da Missa seriam ouvidas um dia por São José depois de ter cumprido amorosa e alegremente a sua missão na terra. São palavras cheias de alegria que o Senhor também nos dirá se formos fiéis à nossa vocação, ainda que nos tenha sido necessário recomeçar muitas vezes, com humildade e simplicidade de coração. Em outro momento da Missa do dia, repete-se a palavra fidelidade aplicada a São José: Deus todo-poderoso, que confiastes os primeiros mistérios da salvação dos homens à fiel custódia de São José...9, rezamos na Oração coleta. É como se o Senhor quisesse recordar-nos hoje a fidelidade aos nossos compromissos para com Ele e para com os outros, a fidelidade à vocação recebida de Deus, à chamada que cada cristão recebeu, aos seus afazeres no mundo conforme o querer de Deus.

A nossa vida não tem outro sentido senão sermos fiéis ao Senhor, em qualquer idade ou circunstância em que nos encontremos. Disso dependem, sabemo-lo bem, a nossa felicidade nesta vida e, em boa parte, a felicidade dos que estão ao nosso lado. São José passou por situações bastante díspares e nem todas foram humanamente gratas, mas o Santo Patriarca foi firme como a rocha e sempre contou com a ajuda de Deus.

Nada desviou José do caminho que lhe tinha sido traçado: foi o homem que Deus, num gesto de absoluta confiança, colocou à frente da sua família aqui na terra. “Que outra coisa foi a sua vida senão uma total dedicação ao serviço para que tinha sido chamado? Esposo da Virgem Maria, pai de Jesus segundo a lei [...], consumiu a sua vida com a atenção posta neles, entregando-se por inteiro ao cumprimento da sua missão. E como um homem que se entregou é um homem que já não se pertence, José deixou de se preocupar consigo próprio a partir do momento em que, ilustrado pelo anjo naquele primeiro sonho, aceitou plenamente o desígnio de Deus sobre ele [...]. O Senhor confiou-lhe a sua família e José não o decepcionou; Deus apoiou-se nele, e ele manteve-se firme em toda a espécie de circunstâncias”10. Deus, para muitas coisas grandes, apóia-se em nós... Iremos decepcioná-lo?

Dizemos hoje ao Senhor que queremos ser fiéis, devotados aos nossos afazeres divinos e humanos na terra, como o foi São José, sabendo que disso depende o sentido de toda a nossa vida. Examinemos devagar em que coisas poderíamos ser mais fiéis à nossa missão na terra: compromissos com Deus, com os que estão sob os nossos cuidados, na ação apostólica, na tarefa profissional...

III. CONCEDEI-NOS, SENHOR, que possamos servir-vos... com um coração puro como São José, que se entregou para servir o vosso Filho...11

Ao longo dos sete domingos em que preparávamos a solenidade de hoje, meditávamos no princípio enunciado por São Tomás que se aplica à vocação de São José e à de todos os que são chamados por Deus: “Àqueles que Deus escolhe para um fim, prepara-os e dispõe-nos de tal modo que sejam idôneos para esse fim”12. A fidelidade de Deus mostra-se nas ajudas que nos concede continuamente em qualquer situação de idade, trabalho, saúde, etc., em que nos encontremos, para que cumpramos fielmente a nossa missão na terra. São José correspondeu delicada e prontamente às inumeráveis graças que recebeu da parte de Deus.

Devemos considerar com freqüência que o Senhor jamais nos haverá de falhar; em contrapartida, espera sempre que saibamos corresponder com toda a firmeza: na juventude, na maturidade, na velhice; quando parece que tudo nos ajuda a ser leais e quando ficamos com a impressão de que tudo nos convida a romper com os compromissos contraídos.

O fato de não sentirmos a assistência de Deus – numa ou noutra ocasião ou por longos períodos –, de não nos sentirmos inclinados a dedicar a Deus o melhor tempo do nosso dia, pode dever-se, talvez, a que a alma está voltada para si mesma e para tudo o que acontece à sua volta. Nesses momentos, a fidelidade a Deus é fidelidade ao recolhimento interior, ao esforço por sair desse estado, à vida de oração, a essa oração em que a alma fica só, despida diante de Deus, e pede-lhe ou simplesmente o fita...

Deus espera de todos nós uma atitude desperta, amorosa, cheia de iniciativas. O coração do Santo Patriarca esteve sempre inundado de alegria, mesmo nos momentos mais difíceis! Temos de conseguir que o nosso quefazer divino na terra, o nosso caminhar para Deus seja sempre novo, como novo e original é sempre o amor, porque, como diz o poeta: Ninguém foi ontem / nem vai hoje / nem irá amanhã / para Deus / por este mesmo caminho / pelo qual eu vou /. Para cada homem o sol guarda / um novo raio de luz / e Deus um caminho virgem. Sempre eternamente novo.

Pedimos hoje a São José essa juventude interior que nunca falta quando há uma entrega verdadeira aos firmes compromissos que um dia se assumiram, e uma renovação ardente desses compromissos contra vento e maré, numa fidelidade que é felicidade. Pedimos também ao Santo Patriarca por todos aqueles que esperam de nós essa permanente alegria interior, conseqüência necessária da entrega a Deus, e que os há de arrastar até Jesus, a quem sempre encontrarão muito perto de Maria.

(1) Lc 12, 42; Antífona de entrada da Missa do dia 19 de março; (2) Ez 34, 23; (3) Gen 3, 15; (4) Rom 4, 18; Segunda leitura, ib.; (5) João Paulo II, Exort. Apost. Redemptoris custos, 15-VIII-1989, 8; (6) Mt 1, 16; (7) Josemaría Escrivá, É Cristo que passa, n. 43; (8) Mt 25, 21;Antífona da comunhão, ib.; (9) Oração coleta, ib.; (10) F. Suárez, José, esposo de Maria, págs. 276-277; (11) Oração sobre as oferendas, ib.; (12) São Tomás, S.Th., III, q. 27, a. 4 c.

* Edições Palavra (detentor dos direitos de autor) nos autorizou a difundir a meditação diária para usuários específicos para seu uso pessoal, e não quero a sua distribuição por fotocópia ou outras formas de distribuição.